CÉLULAS-TRONCO DE ORIGENS DIFERENTES E INUSITADAS

Em 1999, na prestigiosa Revista Médica Science, Pittenger e colaboradores1 demonstraram a capacidade da célula-tronco mesenquimal da medula-óssea de diferenciar-se em variados tipos celulares, explicando a plasticidade da célula-tronco adulta.

As células obtidas em laboratório partindo da célula-tronco adulta foram: óssea, cartilaginosa, adiposa e muscular. Até o momento, a célula-tronco hematopoiética, responsável pela capacidade de regenerar o sistema sanguíneo e imunológico, era isoladamente a célula mais estudada no campo do transplante de medula-óssea. Contudo, a célula do tipo mesenquimal gradativamente estabelece sua importância no campo da medicina regenerativa.

CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOIÉTICA

Há mais de 60 anos, após os trabalhos pioneiros do Professor Donnall Thomas2, é conhecido a capacidade regenerativa desta célula. Todos os dias, bilhões de novas células são produzidas para manutenção do sistema sanguíneo e imunológico do nosso organismo. Este conceito foi a base do transplante de medula-óssea e o motivo que levou o Prof. Donnal Thomas a receber o Prêmio Nobel de Medicina em 2002.

Atualmente existem três fontes reconhecidas de células – tronco: medula-óssea, sangue de cordão umbilical e sangue periférico.

Trabalhos recentes também sugerem a possibilidade da célula-tronco hematopoiética regenerar células não pertencentes ao sistema sanguíneo, como por exemplo, hepatócito (fígado) 3-4. Uma vez comprovada a potencialidade de regeneração de diferentes tecidos a partir da célula-tronco hematopoiética, ocorrerá um aumento significativo da utilização das células-tronco provenientes do sangue de cordão umbilical estocados em bancos privados.

CÉLULA-TRONCO MESENQUIMAL

Desde 1966, Friedenstein e colaboradores5 isolaram a célula-tronco mesenquimal na medula-óssea. Após o estabelecimento da cultura e da diferenciação desta célula, inúmeras fontes de célula-tronco mesenquimal foram sendo reconhecidas pela literatura médica. Dentre essas fontes temos: tecido de cordão umbilical, polpa de dente, tecido adiposo, placenta, fluído amniótico e até no sangue menstrual 5.

Existem também pesquisas experimentais com células dos tecidos: Muscular, circulatório (vasos), Hepático, Pancreático, Ósseo, Gorduroso, Cartilaginoso, Cardíaco e Neurológico5.

CÉLULA-TRONCO PLURIPOTENTE INDUZIDA

Uma nova técnica permite reprogramar uma célula-tronco adulta e retrocedê-la, a um estágio embrionário6. A maioria dos estudos utilizou células da pele para esse fim, mas a célula-tronco mesenquimal parece ser a melhor fonte para a reprogramação. Portanto, dados recentes permitem concluir, que será possível obter uma célula com capacidade de regenerar praticamente todos os tecidos do corpo sem necessidade de usar embriões humanos.

 

 

Bibliografia:

  1. Pittenger MF, Mackay AM, Beck SC, Jaiswal RK, Douglas R, Mosca JD, MoormanMA, Simonetti DW, Craig S, Marshak DR. Multilineagepotentialofadulthumanmesenchymalstemcells. Science 1999;284:143–147.

2.Thomas ED, Buckner CD, Banaji M, Clift RA, Fefer A, Flournoy N, Goodell BW,Hickman RO, Lerner KG, Neiman PE, et al. Onehundredpatientswithacuteleucemia treatedbychemotherapy, total bodyirradiation, andallogeneicmarrowtransplantation.Blood 1977;49:511–533.

  1. Petersen BE, Bowen WC, Patrene KD, Mars WM, Sullivan AK, Murase N, Boggs SS,Greenberger JS, Goff JP. Bonemarrow as a potentialsourceofhepatic oval cells. Science1999;284:1168–1170.
  2. Lagasse E, Connors H, Al-Dhalimy M, Reitsma M, Dohse M, Osborne L, Wang X,Finegold M, Weissman IL, Grompe M. Purifiedhematopoieticstemcellscandifferentiateintohepatocytes in vivo. Nat Med2000;6:1229–1234.
  3. Sousa BR, Parreira RC, Fonseca EA, Amaya MJ, Tonelli FMP, Lacerda SMS, Lalwani P, Santos AK, Gomes KN, Ulrich H, Kihara AH, Resende RR. Humanadultstemcellsfromdiverseorigins: na overviewfrommultiparametricimmunophenotypingtoclinicalapplications. Cytometrypart A 2014; 85 A: 43-77.
  4. Sun N, Panetta NJ, Gupta DM, Wilson KD, Lee A, Jia F, Hu S, Cherry AM, RobbinsRC, Longaker MT, et al. Feeder-freederivationofinducedpluripotentstemcellsfromadulthuman adipose stemcells. ProcNatlAcadSci USA 2009;231:324–332.