Pesquisa comprova que excesso de gordura saturada provoca a morte de neurônios

Pesquisa-comprova-que-excesso-de-gordura-saturada-provoca-a-morte-de-neurônios-foto-1200x677.jpg

Em estudo feito pela Unicamp, sobre obesidade, foi constatado que danos no cérebro podem fazer a pessoa ganhar peso
A ciência tem conhecimento que o intestino de um obeso absorve os alimentos de forma diferente, acumulando mais calorias. Mas antes desse processo existe um dano no cérebro. A pesquisa comprovou que o excesso de gordura saturada, encontrada principalmente na carne, provoca a morte de neurônios responsáveis pela saciedade. É como se os sensores de limite, parassem de funcionar.
A pesquisa da Unicamp concluiu que o consumo de gordura saturada em excesso provoca inflamações na região do cérebro, conhecida como hipotálamo, onde estão os neurônios que regulam a fome.
“Os neurônios são células muito sensíveis, então se elas ficam expostas a esse ambiente inflamatório por muito tempo, em um primeiro momento, elas passam a não funcionar muito bem. Mas se isso persistir por muito tempo elas acabam morrendo”, explicou o orientador da pesquisa, Lício Augusto Velloso, que contou com a parceria da Universidade de Cambridge.
De acordo com Velloso, seriam necessários dois ou três anos, com uma alimentação muito ruim, muito rica em gordura saturada para que finalmente tenha um dano irreversível no hipotálamo e esses danos podem ocorrer ainda na infância e adolescência. Após a análise em camundongos, a pesquisadora Daniela Razolli foi até a Inglaterra produzir neurônios humanos a partir de células-tronco.
“São células-tronco provenientes de pele humana. Elas são transformadas em neurônios do tipo que controlam a fome e o gasto energético. Tratamos esses neurônios com gorduras, com ácidos graxos e então analisamos os efeitos que essas gorduras têm em neurônios humanos”, explicou Daniela.
A partir da descoberta, novas pesquisas podem apontar caminhos para repovoar o cérebro com os neurônios da saciedade, através de medicamentos ou células-tronco.

 

Fonte: Portal O Globo


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *