Terapia Celular para Hemofilia B

Celulas-tronco-Foto-1200x675.jpg

Cientistas do Instituto Salk combinaram a edição do gene CRISPR-Cas9 com tecnologia de células-tronco para gerar uma terapia celular autóloga única para o distúrbio genético de coagulação do sangue, a hemofilia B. Os testes mostraram que as células hepáticas derivadas de células-tronco permaneceu viável e funcional em camundongos hemofílicos por quase um ano, após apenas uma única injeção.

Chefiado por Suvasini Ramaswamy, e Inder M. Verma, ambas Ph.D., os resultados oferecem uma prova de conceito para o uso potencial de terapia celular autóloga no tratamento da hemofilia B e potencialmente outras doenças do fígado que são similarmente causados por defeitos em um único gene. “O apelo de uma abordagem baseada em células é que você minimize o número de tratamentos que um paciente precisa”, diz o Dr. Ramaswamy.

A hemofilia B é um distúrbio de coagulação ligado ao cromossomo X que afeta 1 em 30.000 nascimentos do sexo masculino, explicam os pesquisadores. O distúrbio de coagulação do sangue é causado pela falta de fator IX de coagulação (FIX), devido a mutações no gene FIX, e pode se manifestar como leve, moderada ou grave, dependendo da extensão da atividade de FIX remanescente nos pacientes. O tratamento atual envolve administrar aos pacientes doses intravenosas frequentes de suplementos FIX recombinantes.

Dado que a hemofilia B é um distúrbio monogênico e tem ampla janela terapêutica, a doença é “um candidato ideal para terapia genética e/ou celular”, observam os autores. A terapia mostrou ser promissora para terapia a longo prazo, mas abordagens baseadas em vectores virais acarretam problemas, incluindo possel dano tecidular e imunogenicidade. O FIX é produzido no fígado, portanto, o transplante de fígado é uma opção terapêutica alternativa de longo prazo. No entanto, como aponta a equipe, há uma escassez de fígados de doadores e a necessidade de imunossupressão constante representa uma grande desvantagem.

Outra abordagem potencial é desenvolver uma terapia celular, usando células retiradas de fígados de doadores ou derivadas de células-tronco autólogas. Existem três fontes principais de hepatócitos, apontam os pesquisadores – hepatócitos cadavéricos heterólogos, células semelhantes a hepáticas derivadas de células-tronco pluripotentes (HLCs) derivadas de células-tronco embrionárias (CTEs) ou células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs) e HLCs (Heps) induzidos derivados por reprogramação direta de fibroblastos em HLCs. Cada fonte potencial tem suas próprias vantagens e desvantagens.

Fonte: Genetic Engineering e Biotechnology News


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *