Blog

CLASSIC LIST

baby-boy-girl.jpg

Um estudo da Universidade de Newcastle envolvendo milhares de famílias está ajudando os futuros pais a descobrir se eles provavelmente terão filhos ou filhas.

O trabalho de Corry Gellatly, pesquisadora da universidade, mostrou que os homens herdam a tendência de ter mais filhos ou mais filhas de seus pais. Isso significa que um homem com muitos irmãos é mais propenso a ter filhos, enquanto um homem com muitas irmãs tem mais probabilidade de ter filhas.

A pesquisa envolveu um estudo de 927 árvores genealógicas contendo informações sobre 556.387 pessoas da América do Norte e Europa que remontam a 1600.

“O estudo da árvore genealógica mostrou que é provável que você tenha um menino ou uma menina herdados. Agora sabemos que os homens têm mais probabilidade de ter filhos se tiverem mais irmãos, mas têm mais probabilidade de ter filhas se tiverem mais irmãs. No entanto, nas mulheres, você simplesmente não pode prever ”, explica Gellatly.

Os homens determinam o sexo de um bebê dependendo se o espermatozóide está portando um cromossomo X ou Y. Um cromossomo X combina-se com o cromossomo X da mãe para fazer uma menina (XX) e um cromossomo Y combinará com a mãe para fazer um menino (XY).

O estudo da Universidade de Newcastle sugere que um gene ainda não descoberto controla se o esperma de um homem contém mais X ou mais cromossomos Y, o que afeta o sexo de seus filhos. Em uma escala maior, o número de homens com mais espermatozóides X em comparação com o número de homens com mais espermatozóides Y afeta a razão sexual de crianças nascidas a cada ano.

Filhos ou filhas?

Um gene consiste em duas partes, conhecidas como alelos, uma herdada de cada pai. Em seu artigo, Gellatly demonstra que é provável que os homens tenham dois tipos diferentes de alelos, o que resulta em três combinações possíveis em um gene que controla a proporção de espermatozóides X e Y;

  • Homens com a primeira combinação, conhecida como mm, produzem mais espermatozóides e têm mais filhos.
  • O segundo, conhecido como mf, produz um número aproximadamente igual de espermatozóides X e Y e tem um número aproximadamente igual de filhos e filhas.
  • O terceiro, conhecido como ff, produz mais X espermatozoides e tem mais filhas.

“O gene que é passado de ambos os pais, o que faz com que alguns homens tenham mais filhos e outros tenham mais filhas, pode explicar por que vemos o número de homens e mulheres aproximadamente equilibrados em uma população. Se há muitos homens na população, por exemplo, as fêmeas encontrarão mais facilmente um parceiro, então os homens que têm mais filhas transmitem mais genes, fazendo com que mais mulheres nasçam em gerações posteriores”, diz o pesquisador da Universidade de Newcastle. Sr. Gellatly.

Fonte: Science Daily


enurese-1200x800.jpg

Segundo o ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli Borges Filho (CRM-107.997), aos cinco anos cerca de 15% das crianças apresentam a doença e fazem xixi na cama enquanto dormem. “Ao contrário do que muitos adultos acreditam, fazer xixi na cama após os cinco anos não é uma forma de chamar atenção e sim uma doença que deve ser tratada o quanto antes”, explica.
As causas são diversas como problemas hormonais, alterações anatômicas, problemas na bexiga, alterações neurológicas, musculares, infecciosas ou psicológicas. “A criança pode ter a sua autoestima afetada, já que os pais podem culpá-la por estar fazendo xixi acreditando que é preguiça dela ir ao banheiro à noite. Ela também pode levar uma vida limitada porque os pais não permitem que a criança durma na casa dos amiguinhos por fazer xixi na cama, o que torna a criança tímida”, afirma o ginecologista.
Além disso, a enurese noturna infantil também apresenta uma incidência familiar. “Caso o pai ou a mãe tenha tido enurese quando criança, a chance do seu filho ter a doença é de 44%. Se ambos apresentaram o problema na infância, a chance aumenta para 75%”, revela Mantelli.
Quando o xixi na cama é um problema
A enurese noturna é classificada como primária (ENP) ou secundária (ENS). “Na primária, a criança tem o hábito de fazer xixi na cama durante a noite. Já na secundária ela conseguiu manter um controle da sua bexiga á noite por pelo menos seis meses, mas depois ela perde esse controle voltando a urinar na cama”, acrescenta o ginecologista.
O fato da criança voltar a urinar na cama pode estar relacionado a fatores psicológicos. “Quase todas as crianças conseguem parar de fazer xixi na cama sem tratamento, mas quando a doença é diagnostica é necessário investigar a causa e tratar”, comenta Domingos.
Vale ressaltar que a enurese noturna pode ser acompanhada de sintomas como dor, sangue na urina, entre outros, e pode indicar um problema grave. Nesse caso, a criança deve ser examinada por um médico especialista. Ele é o único profissional capaz de determinar o tratamento certo para cada caso. “O tratamento consiste numa modificação comportamental e também em medicamentos que auxiliam o organismo a reabsorver a água. Dependendo do caso, é importante fazer a junção de terapias medicamentosas e psicológicas”, aconselha o ginecologista.
A criança deve evitar consumir alimentos que irritam a bexiga ou provocam a prisão de ventre. A ingestão de líquidos também deve ser controlada antes de a criança dormir e os pais devem incentivá-la no tratamento. “Não culpe ou castigue a criança por ter feito xixi na cama. Ela precisa ser tratada e não condenada”, indica o médico.
Às vezes, a criança que já não fazia xixi na cama volta a fazer devido a alguma mudança, como a chegada de um irmãozinho ou separação dos pais. Por isso, não ignore o seu filho, permaneça do lado dele dando carinho e atenção. Aos poucos você notará que o seu pequeno consegue controlar o seu xixi.

Fonte – ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli Borges Filho e revista Materlife


Crianca-autista-foto.jpg

Entre eles estão a dificuldade para largar a mamadeira, hipersensibilidade à textura ou temperatura dos alimentos e guardar alimentos no bolso 

O diagnóstico precoce do autismo é a melhor forma de garantir qualidade de vida para as crianças que têm o transtorno. Por causa disso, pesquisadores buscam compreender sinais que podem ajudar pais e médicos a reconhecer o problema desde cedo. Novo estudo, por exemplo, descobriu que comportamentos alimentares atípicos são sinais de que a criança pode ser autista.

Entre os hábitos estão: dificuldade para largar a mamadeira, hipersensibilidade à textura ou temperatura dos alimentos, recusa em aceitar mudanças na dieta, guardar alimentos no bolso em vez de comer e preferências alimentares limitadas. Segundo a pesquisa, publicada no periódico Research in Autism Spectrum Disorders, 70% das crianças dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresentam esses comportamentos – número 15 vezes mais alto em comparação com crianças que não têm autismo.

“Nós vemos crianças que continuam a comer comida para bebê ou que não experimentam texturas diferentes. Uma vez eu tratei uma criança que não ingeria nada além de bacon e chá gelado. Algumas delas sequer conseguem fazer a transição da mamadeira”, comentou Keith Williams, do Hospital Infantil do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

O especialista ainda explicou que, apesar de muitas crianças pequenas recusarem alimentos novos, o comportamento daquelas que têm autismo é mais severo. Isso porque elas geralmente permanecem sendo extremamente seletivas com a comida enquanto outras crianças lentamente aceitam a adição de novos alimentos.

Por causa disso, os pesquisadores recomendam que os pais levem os filhos ao pediatra caso notem esses comportamentos; assim, pode-se realizar os exames necessários para diagnosticar a condição. A equipe ainda destacou que esses sinais podem aparecer a partir do primeiro ano de vida.

Alimentação atípica

Para chegar a essas descobertas, os pesquisadores analisaram o comportamento alimentar de duas mil crianças. Parte dos participantes já havia sido diagnosticado com autismo, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) ou outros transtornos de desenvolvimento, enquanto alguns foram caracterizados com “típicos”, ou seja, sem qualquer condição neurológica.

A equipe notou que todas as crianças com diagnóstico mostraram algum comportamento alimentar incomum; no entanto, apenas as autistas apresentaram uma combinação de dois ou mais. De acordo com os cientistas, a maioria das crianças autistas mantêm uma dieta restritiva que consiste principalmente de produtos de grão, como macarrão e pão, e nuggets de frango. Isso acontece porque elas sofrem com hipersensibilidades sensoriais (textura, sabor e temperatura) e não gostam de mudanças. Além disso, é comum que elas prefiram alimentos da mesma marca, cor ou forma.

“O estudo forneceu mais evidências de que esses comportamentos alimentares incomuns são a regra e não a exceção para crianças com autismo“, disse Williams.

O diagnóstico precoce do autismo permite que a criança inicie o tratamento com um analista de comportamento. O acompanhamento especializado ajuda a melhorar os hábitos e comportamentos do autista, incluindo aceitar algumas mudanças na alimentação para que seja possível manter uma dieta saudável. Estudos anteriores indicam que essas intervenções costumam ser mais eficazes quando implementadas durante os anos pré-escolares (antes dos 5 anos de idade).

Fonte: Revista Veja


Cuidados-com-o-bebe-1200x890.jpeg

Tudo o que os pais de primeira viagem querem, depois que o filho nasce, é sair da maternidade e ir para casa. Contudo em casa bate o desespero, afinal a chegada de um bebê muda completamente a rotina e a vida da família, pois tudo começa a girar em torno do filho e surgem muitas dúvidas.

Como cuidar do bebê?

AMAMENTAÇÃO

O Ministério da Saúde recomenda que o leite materno seja exclusivo para o bebê até o sexto mês de vida, não precisando acrescentar mais nada, nem mesmo água. O leite materno é suficiente para hidratar a criança, pois contém todos os nutrientes e vitaminas que o bebê precisa para se desenvolver.

Recomenda-se que a amamentação seja a cada 3 horas, sendo de 20 a 30 minutos em cada mama ou até que a mesma esvazie. Lembrando que o ideal é amamentar em livre demanda.

TROCA DE FRALDAS

Trocar a fralda sempre que necessário, sendo aproximadamente a cada duas ou três horas. Indica-se limpar bem o bebê, seja com água quente ou com lenço umedecido e depois passar uma camada de pomada para assadura da sua preferência. Lembrando que na “menina” o correto é limpar sempre da frente para traz, evitando que as fezes contaminem a vagina.

BANHO

O necessário é um banho por dia, colocar pouca água na banheira e deixar numa temperatura morna, nem quente, nem fria. Com o bebê ainda no braço vai molhando o rostinho e a cabeça dele aos poucos para ele ir se adaptando, depois lava o tronco e os membros, por último lave a parte genital. Indica-se secar bem o bebê, limpar o coto umbilical com um cotonete e álcool 70%, secar os ouvidos (pode ser com cotonete, mas não pode introduzir no ouvido, pois pode perfurar a membrana do tímpano).

HORA DE DORMIR

É indicado colocar o bebê para dormir sempre de lado, nunca de barriga para cima, pois ele pode vomitar e aspirar o vômito. O recomendado é não deixar o bebê dormir sozinho no quarto pelo menos até os primeiros 40 dias, ele pode regurgitar e ter uma morte súbita.

https://drauziovarella.uol.com.br/entrevistas-2/primeiros-cuidados-com-o-bebe-entrevista/

Enfermeira: Antonia Marcelino Gonçalves do Nascimento


Filho-adortivo.jpg

O processo de adoção é demorado e delicado, e requer que os pais participem de cursos preparatórios para adotar uma criança, além de estarem cientes do motivo que os dispõe a isso.
Antes de mais nada, cada pessoa, deve ter bem claro para si mesma, as razões pelas quais deseja realizar a adoção. E são muitos os motivos que podem levar uma pessoa a querer adotar uma criança, pois sempre podem estar relacionados ao desejo de constituir uma família, seja ela formada por casais de sexos opostos ou não e também de pessoas que vivem sozinhas.

O desejo de formar uma família sempre encabeça a lista dessas causas. Entretanto, as questões individuais de cada envolvido permeiam a adoção, e é ai que vemos a culpa, o desejo de fazer o bem, o medo de não ter alguém para servir de amparo na velhice, entre outros tantos motivos, agregarem essa lista. Por isso, é fundamental que as pessoas entrem em contato com suas questões para que tenham muito claros os diversos aspectos, bem como suas limitações relacionadas à adoção.

Adotar uma criança não é um processo tão simples quanto se possa acreditar, e demora um tempo indefinido que não depende dos envolvidos nesse desejo, mas sim de um processo lento, que quando é iniciado, o casal já sabe de antemão que não terá prazo estipulado para ser concluído. Além do mais, os envolvidos devem estar cientes de que a qualquer momento pode aparecer uma criança, que talvez corresponda ou não às suas expectativas, mas que mudará toda a sua rotina de vida e inevitavelmente os remeterá a questões conscientes ou não, mas que serão determinantes na relação com ela.

A partir desse momento, se ao menos algumas questões relacionadas à adoção estiverem esclarecidas internamente, poderá tornar-se mais fácil lidar com tudo, pois a clareza e a segurança em relação aos aspectos envolvidos farão uma diferença bastante significativa.

Quando contar a verdade para a criança? Antes de mais nada, essa verdade precisa estar muito clara e segura para os pais, sem que se esqueçam de que o filho adotivo tem uma história de vida pregressa, conhecida ou não por ela, mas que em algum momento de sua vida, virá à tona. Além do mais, isso varia de criança para criança, e depende também da idade em que foi adotada, da situação em que se encontrava e do contexto em que atualmente se encontra.

Acredito que a verdade deve ser sempre dita. Contudo, as dificuldades individuais existem, e a elas que os profissionais devem estar atentos. O acompanhamento psicológico, mesmo que seja por poucas sessões, pode ser fundamental para o esclarecimento de várias questões, bem como para a colaboração da configuração da nova família que se forma ou se formará.

Fonte: Revista Materlife e Cynthia Boscovich, psicóloga clínica e psicanalista


Capilar.jpg

Mais de 80 milhões de homens, mulheres e crianças nos Estados Unidos sofrem perda de cabelo. Genética, envelhecimento, parto, tratamento do câncer, queimaduras e distúrbios médicos, como a alopecia, podem causar a doença. A perda de cabelo é frequentemente associada a sofrimento emocional que pode reduzir a qualidade de vida e levar à ansiedade e depressão.

“Nosso novo protocolo descrito supera os principais desafios tecnológicos que mantiveram nossa descoberta do uso no mundo real”, diz Alexey Terskikh, Ph.D., professor associado do Programa de Desenvolvimento, Envelhecimento e Regeneração da Sanford Burnham Prebys e co-fundador e diretor científico da Stemson Therapeutics. “Agora temos um método robusto e altamente controlado para gerar cabelo de aspecto natural que cresce através da pele usando uma fonte ilimitada de células de papila dérmicas derivadas de iPSC humanas. Este é um avanço crítico no desenvolvimento de terapias de perda de cabelo baseadas em células”. e o campo da medicina regenerativa “.

Terskikh estuda um tipo de célula chamada papila dérmica.Residindo dentro do folículo piloso, essas células controlam o crescimento do cabelo, incluindo a espessura do cabelo, comprimento e ciclo de crescimento. Em 2015, Terskikh cultivou com sucesso o cabelo sob a pele do camundongo (subcutâneo), criando papilas dérmicas derivadas de células-tronco pluripotentes humanas – um processo tentador, mas não controlado, que exigiu maior refinamento.

“Nosso novo protocolo descrito hoje supera os principais desafios tecnológicos que impediram nossa descoberta de uso no mundo real”, diz Terskikh. “Agora temos um método robusto e altamente controlado para gerar cabelo de aspecto natural que cresce através da pele usando uma fonte ilimitada de células de papila dérmicas derivadas de iPSC humanas. Este é um avanço crítico no desenvolvimento de terapias de perda de cabelo baseadas em células”. e o campo da medicina regenerativa “.

A abordagem detalhada na apresentação do ISSCR, que foi entregue pela pesquisadora principal Antonella Pinto, Ph.D., pesquisadora de pós-doutorado no laboratório de Terskikh, apresenta um andaime 3D biodegradável feito do mesmo material que os pontos dissolúveis. O andaime controla a direção do crescimento do cabelo e ajuda as células-tronco a se integrarem à pele, uma barreira naturalmente resistente. O protocolo atual baseia-se em células epiteliais de camundongo combinadas com células da papila dérmica humana. Os experimentos foram conduzidos em camundongos nus imunodeficientes, que não possuem pêlos no corpo.

A derivação da parte epitelial de um folículo piloso de iPSCs humanas está em andamento no laboratório de Terskikh. Células de papila dérmicas e epiteliais derivadas de iPSC combinadas permitirão a geração de folículos capilares inteiramente humanos, prontos para transplante alogênico em humanos. Distintas de quaisquer outras abordagens para a regeneração do folículo piloso, as CEPi humanas fornecem um suprimento ilimitado de células e podem ser derivadas de uma simples coleta de sangue.

“A perda de cabelo afeta profundamente a vida de muitas pessoas. Uma parte significativa da minha prática envolve homens e mulheres que buscam soluções para a queda de cabelo”, diz Richard Chaffoo, MD, cirurgião plástico que fundou a La Jolla Hair. MD e é consultor médico da Stemson Therapeutics.”Estou ansioso para avançar com esta tecnologia inovadora, que poderia melhorar a vida de milhões de pessoas que lutam contra a queda de cabelo”.

Fonte: Jornal Science Daily


Vacinas.jpg

As vacinas salvaram dezenas de milhões de vidas no último século, mas mesmo assim especialistas de saúde de diversos países têm identificado uma tendência de “hesitação em vacinar” – em outras palavras, uma crescente recusa em aderir à imunização.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a questão tão preocupante que a listou como uma das dez maiores ameaças à saúde global em 2019.

Abaixo, uma breve história da vacina, entre descobertas e desconfianças.

Por que algumas pessoas recusam a vacinação?

A desconfiança quanto a vacinas existe há quase tanto tempo quanto as próprias vacinas modernas. No passado, as suspeitas eram relacionadas à religião, à percepção de que as vacinas eram anti-higiênicas ou à sensação de restrição à liberdade de escolha.

No Brasil, por exemplo, a Revolta da Vacina de 1904, no Rio de Janeiro, se seguiu à campanha obrigatória de vacina contra a varíola, implementada pelo epidemiologista e sanitarista Oswaldo Cruz. Antes disso, ainda no século 19, surgiram no Reino Unido as chamadas ligas antivacina, que pressionavam por medidas alternativas de controle de doenças, como o isolamento de pacientes.

Nos anos 1870, o movimento se espalhou aos EUA, após a visita do ativista britânico antivacina William Tebb.

Mais recentemente, o britânico que mais marcou a história do movimento antivacina é Andrew Wakefield. Em 1998, em Londres, o médico publicou um estudo falsamente ligando o autismo e problemas gastrointestinais à vacina MMR (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola).

Em 2004, o Instituto de Medicina dos EUA concluiu que não havia provas de que o autismo tivesse relação com os componentes da vacina. No mesmo ano, descobriu-se que, antes da publicação de seu estudo, Wakefield havia feito um pedido de patente para uma vacina contra sarampo que concorreria com a MMR, algo que foi visto como um conflito de interesses.

Além disso, um assistente de Wakefield afirmou que, em seu estudo, o médico manipulou informações de crianças para forçar a ligação entre vacina e autismo. Em 2010, o Conselho Geral de Medicina do Reino Unido julgou Wakefield “inapto para o exercício da profissão”, qualificando seu comportamento como “irresponsável”, “antiético” e “enganoso”. E a Lancet, periódico que havia tornado público seu estudo, se retratou da publicação, dizendo que suas conclusões eram “totalmente falsas”.

Em meio a isso, as taxas de vacinação caíram em vários países após a publicação do estudo de Wakefield. Só em 2004, 100 mil crianças a menos receberam a vacina MMR no Reino Unido – o que levaria a um aumento de casos de sarampo.

O tema ganha, também, contornos políticos.

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, se alinhou a grupos antivacina, enquanto o presidente americano, Donald Trump, traçou – sem oferecer provas – elos entre vacinação e autismo. Recentemente, porém, ele instou os pais americanos a vacinarem seus filhos.

Um estudo internacional sobre comportamento perante vacinas identificou que, embora a confiança geral na imunização fosse positiva, está em seu nível mais baixo na Europa, particularmente na França.

Fonte:Portal G1


Alimentação-nas-ferias.jpg

Finalmente os pequenos podem descansar, brincar e gastar energia! Para isso, eles precisam de uma alimentação balanceada para aguentar o pique. Ainda assim, o médico nutrólogo e diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), Dr. Carlos Alberto Nogueira de Almeida, lembra que férias não é sinônimo de relaxar completamente da rotina e pede que os pais estimulem os filhos a brincarem cada vez mais ao ar livre.

Com uma vasta experiência, Dr. Nogueira comenta que existem dois perfis de crianças: “Temos aquela criança que já é propensa à obesidade e trabalhamos o ano inteiro para controlar, e aquelas que são muito hiperativas e esquecem de comer, pois preferem brincar.” Para o médico nutrólogo, ambos os perfis precisam de muita atenção, principalmente nas férias. “Os pais costumam ser mais permissivos com aquela criança que faz dieta o ano inteiro, e as hiperativas tendem a piorar a sua quantidade de refeições, pois estarão livres para brincar, saindo da rotina. O ideal é encontrar um equilíbrio durante o período”, afirma Dr. Nogueira.

Para o diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), a permissividade é preocupante e não deve ser um hábito e, sim, uma exceção. “Pedir uma pizza às terças-feiras é algo pouco saudável durante as semanas ‘normais’. Nas férias, é algo que pode acontecer, mas não deve ser pizza às terças, pastel às quartas, e hambúrguer no sábado”, ressalta. Dr. Nogueira relata ainda que percebe uma transformação no perfil de lazer das crianças.

“Antigamente existia aquela expectativa em sair na rua e se divertir. Atualmente, quando pergunto em meu consultório, as crianças sempre falam primeiro em ‘zerar’ algum jogo, ou, quando mais velhos, terminar determinada série. Só depois disso lembram de fazer algum esporte”, diz. A atividade física durante as férias representa pouco ganho efetivo ao longo do ano. Mesmo assim, é essencial e pode ser uma oportunidade de a criança se engajar com algum esporte. “O ideal é que a criança já realize, de maneira contínua, algum esporte. Vale lembrar que as férias são uma época onde aumenta o número de lesões e pequenos acidentes durante a prática esportiva, muitas vezes causadas pela falta de preparo físico”, alerta o médico nutrólogo.

Fonte: Revista Materlife


FIV-fotoo.jpeg

O método para engravidar consiste em unir os gametas fora do útero e transferir o embrião depois

O que é a Fertilização In Vitro (FIV)

A Fertilização In Vitro é uma técnica que consiste na coleta dos gametas para que a fecundação seja feita em laboratório e depois na transferência desses embriões de volta para o útero materno. O método foi usado pela primeira vez na Inglaterra em 1978 e foi trazido ao Brasil em 1983. Nessa época ele era conhecido como bebê de proveta.

Como é feita a FIV

O primeiro passo da Fertilização In Vitro é fazer a coleta dos gametas. Alguns homens não apresentam gametas no sêmen, e nesses casos é preciso fazer uma punção ou biopsia para retirá-los diretamente dos testículos. Nas mulheres é feita uma indução de ovulação, geralmente com injeções subcutâneas (gonadotrofinas), os mesmos medicamentos usados no coito programado. Eles podem ser usados por via oral (citrato de clomifeno) ou por injeções subcutâneas (gonadotrofinas) e normalmente são estimulados até 12 folículos para uma produção maior de óvulos para coleta.

Depois de coletados, é feita uma seleção dos espermatozoides e depois eles e um óvulo são colocados em uma cultura. São usados cerca de 100 a 200 mil gametas masculinos para cada feminino, um deles irá chegar até o óvulo e o embrião depois será formado. O processo é idêntico ao ocorrido dentro do útero, com a diferença que ocorre em laboratório, portanto não há riscos de malformação maiores do que numa fecundação natural.

Quando o embrião já está pronto ele é colocado no útero da mulher. Após 12 ou 14 dias, é feito o exame para detectar se houve sucesso no método.

Duração do tratamento

Contando com a estimulação, a fecundação in vitro, a reimplantação dos gametas e o exame que detectará o sucesso ou não do procedimento, a Fertilização in Vitro costuma durar em torno de 25 dias.

Para quem a Fertilização In Vitro é indicada

Normalmente a técnica é utilizada para casais em que a mulher tenha problemas nas trompas ou endometriose, o que pode dificultar a chegada dos espermatozoides até o óvulo. Também pode ser feita em casos de problemas na produção de gametas no homem.

Outra situação em que o tratamento é indicado ocorre quando é preciso que seja feita a doação de óvulos, no caso de mulheres que não o produzem mais ou em casos de casais homossexuais masculinos.

Fonte: Portal Minha Vida


Parkinson-foto.jpg

 Cientistas dizem ter identificado os primeiros sinais da doença de Parkinson no cérebro – encontrados de 15 a 20 anos antes dos sintomas aparecerem. Exames realizados em um pequeno número de pacientes considerados de alto risco mostraram disfunções no sistema de serotonina do cérebro, que controla o humor, o sono e o movimento.

Os pesquisadores do King’s College London que conduziram o estudo dizem que a descoberta pode levar a novas ferramentas de monitoramento e tratamentos. Mas, de acordo com especialistas, é necessário realizar estudos mais amplos antes e tornar os exames mais acessíveis.

O Parkinson é uma condição neurológica degenerativa progressiva que afeta cerca de 200 mil pessoas no Brasil. Entre os principais sintomas da doença, estão tremores, movimentos involuntários e rigidez – depressão, problemas de sono e memória também são comuns.

Tradicionalmente, acredita-se que a doença esteja ligada a uma substância química chamada dopamina, em falta nos cérebros de pacientes com a doença. Embora não haja cura, há tratamentos para controlar os sintomas – e eles se concentram em restaurar os níveis de dopamina.

Mas os pesquisadores do King’s College sugerem, em artigo publicado na revista científica Lancet Neurology, que as mudanças nos níveis de serotonina no cérebro acontecem primeiro – e podem agir como um sinal de alerta precoce.

Os pesquisadores analisaram os cérebros de 14 pessoas de vilarejos remotos no sul da Grécia e na Itália, todos com mutações raras no gene SNCA, o que torna quase certo que desenvolvam a doença.

Metade desse grupo já havia sido diagnosticado com Parkinson, enquanto a outra metade ainda não apresentava nenhum sintoma, fazendo deles candidatos ideais para estudar como a doença se desenvolve.

Ao comparar o cérebro deste grupo com o de outros 65 pacientes com Parkinson e 25 voluntários saudáveis, os pesquisadores conseguiram identificar mudanças cerebrais precoces em pacientes na faixa de 20 e 30 anos.

As alterações foram encontradas no sistema da serotonina, substância química que tem muitas funções no cérebro, incluindo a regulação do humor, apetite, cognição, bem-estar e movimento.

‘Poderia abrir portas’

O principal autor do estudo, Marios Politis, do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King’s College, afirma que as anormalidades foram identificadas muito antes dos distúrbios de movimento começarem e antes dos níveis de dopamina terem mudado.

“Nossos resultados sugerem que a detecção precoce de alterações no sistema de serotonina poderia abrir portas para o desenvolvimento de novas terapias para retardar e, finalmente, prevenir a progressão da doença de Parkinson”, explica.

Derek Hill, professor de diagnóstico por imagens da University College London (UCL), no Reino Unido, diz que a pesquisa forneceu alguns conhecimentos valiosos, mas também apresenta algumas limitações. “Os resultados podem não ser escalados para estudos maiores”, avalia.

“Em segundo lugar, o método de imagem usado é altamente especializado e limitado a um número muito pequeno de centros de pesquisa, por isso ainda não é útil para ajudar a diagnosticar pacientes ou até mesmo para avaliar novos tratamentos em grandes estudos clínicos.”

“A pesquisa encoraja, no entanto, a abordagem de tentar tratar o Parkinson o mais cedo possível, o que é provavelmente a melhor oportunidade de impedir o crescente número de pessoas cujas vidas são destruídas por essa doença hedionda.”

Beckie Port, gerente de pesquisa da instituição Parkinson’s UK, no Reino Unido, ressalta que são necessários estudos complementares. “Mais pesquisas são necessárias para entender completamente a importância desta descoberta – mas se for capaz de revelar uma ferramenta capaz de medir e monitorar como o Parkinson se desenvolve isso pode mudar inúmeras vidas”.

Fonte: Portal G1