A escola do futuro ou o futuro da escola

criancas-educadas-em-casa-1200x675.jpg

Dois milhões de crianças nos Estados Unidos não freqüentam escolas e são educadas pelos próprios pais em suas casas. Em 1999 eram 850 mil.

Esse dado espantoso da Home School Legal Defense Association está deixando educadores e administradores do sistema educacional americano preocupados. Atualmente, nos EUA, uma em cada 25 crianças está fora da escola e são educadas em suas próprias casas.

O direito de ensinar seus filhos em suas próprias casas é legal em 50 estados americanos e 28 deles exigem que essas crianças passem por algum teste oficial. 13 estados simplesmente exigem que os pais informem o governo que estão educando seus filhos em casa.

O mercado de material educacional especialmente dirigido aos pais que ensinam seus filhos em casa soma nada menos que 850 milhões de dólares por ano. Mais de 75% das universidades americanas têm hoje algum tipo de política para lidar com estudantes advindos de sistemas domésticos de educação.

Para resolver o problema do isolamento das crianças que aprendem em suas próprias casas uma rede de novas instituições de apoio tem surgido e os pais têm à disposição laboratórios virtuais e físicos onde os filhos podem participar de experiências em ciências, por exemplo. Times de vários esportes são formados em várias comunidades, somente com crianças que estudam em casa, etc.

Esse movimento de educação dos filhos em casa é ainda mais impressionante quando analisamos dois fatos: o comprometimento dos pais com a educação individualizada de seus filhos num país onde o sistema educacional público é gratuito e em geral, de boa qualidade; o fato de que para educar seus filhos em casa um dos pais (geralmente a mãe) tem que abrir mão de uma renda extra – seu trabalho – para ficar em casa e educar seus filhos. Isso num país onde o desemprego é baixo e as oportunidades de emprego são, portanto, disponíveis.

O fenômeno de educação em casa está tão difundido nos EUA que as lojas J.C.Penney (Lojas Renner, no Brasil), lançaram uma camiseta com os dizeres “Home Schooled” (Educado em Casa) com a figura de um trailler. Houve tanta reclamação por parte de pais que têm seus filhos em escolas públicas que a loja teve que parar de vender as ditas camisetas. A alegação dos que protestaram foi a de que seus filhos, descontentes com a escola pública, poderiam pressionar seus pais pela educação doméstica.

Um dos mais fortes argumentos a favor da educação em casa é que ela provê uma educação individualizada e que a criança pode aprender de acordo com seu próprio ritmo de aprendizagem em vez de ter que aprender no ritmo de uma “maioria” da classe. Outro argumento – dos mais fortes – é o de que com a educação doméstica os pais podem passar a seus filhos os valores que realmente desejam que seus filhos tenham e não deixar que eles fiquem à mercê dos valores de professores com formação duvidosa. Enfim, eles acreditam que uma educação doméstica é, simplesmente, melhor que uma educação pública.

E os números vão a favor dos defensores da educação em casa. A Universidade de Harvard – uma das mais difíceis de entrar nos EUA – já tem alunos brilhantes provenientes de educação doméstica. O primeiro, segundo e terceiro colocados no ano 2000 no concurso nacional de “soletrar” (muito prestigiado nos EUA pela dificuldade em se soletrar corretamente palavras na língua inglesa) foram crianças educadas por seus próprios pais. Já há até uma universidade – Patrick Henry College – na Virgínia – onde quatro em cada cinco estudantes são advindos de sistemas domésticos de educação.

Fonte: Revista Materlife


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *