Novo estudo afirma que células-tronco aceleram recuperação de fraturas no quadril

Celulas-tronco-ajudam-na-recuperacao-de-fratura-no-quadril-1200x690.jpg

Todos os anos, nos Estados Unidos, mais de 300 mil pessoas são hospitalizadas por fraturas de quadril. Metade delas nunca se recupera bem o suficiente para viver um estilo de vida independente e, pior ainda, a taxa de mortalidade de um ano é alta, variando de 12 a 37%.

Uma nova descoberta por médicos do Centro Médico Davis, da Universidade da Califórnia, e do Segundo Hospital Xiangya, na China, afirma que podem aumentar as chances desses pacientes para uma rápida recuperação. O estudo mostrou que as células estaminais mesenquimais, (MSCs) projetadas para intensificar o fator básico de crescimento de fibroblastos, (bFGF) acelera a cicatrização de fraturas.

“Existem vários métodos para melhorar o processo de cicatrização, mas há sérias limitações”, afirmou o líder do estudo Wei Yao, diretor associado do Centro Médico UC Davis Center. “Os efeitos secundários variam de inflamação e formação de osso anormal ao câncer. Sendo assim, há uma necessidade médica para tratar fraturas e reduzir o tempo de cicatrização óssea”.

Os testes foram feitos em camundongos, que receberam as células-tronco após terem a fratura gerada no fêmur direito. Os ratos foram testados e analisados nos dias 7, 14, 21 e 35 pós-fratura e os resultados indicaram que houve um aumento da produção de fatores de crescimento que, por sua vez, acelerou o reparo da fratura, estimulando o crescimento dos vasos sanguíneos e a diferenciação de endógenos e exógenos em osteoblastos, que são as células que formam um novo osso.

“Concluímos que o transplante de células-tronco provavelmente melhore a regeneração do osso e da cartilagem. Este novo tratamento pode reduzir o tempo necessário para a cura da fratura”, disse Dr. Yao.

“Devido ao envelhecimento da população, a incidência mundial de fraturas de quadril deve aumentar em pelo menos 240% até 2050”, disse Anthony Atala, diretor da Wake Forest, Instituto de Medicina Regenerativa.

Fonte – Stem Cells Journals


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *