Enjôos na gravidez

images.jpg

Você não pode nem sentir o cheiro daquela comidinha que antes era a sua preferida? Corre para o banheiro a cada duas horas? Nada é capaz de parar no seu estômago? Qualquer gestante sabe bem o que é isso.

Nos primeiros meses de gravidez, a alegria e as expectativas são sempre acompanhadas de náuseas e muitos enjôos. Pesquisas apontam que 80% das grávidas sofrem com esse mal estar. Mas, ainda que não dê para evitar, atitudes como controlar a freqüência, a quantidade e a qualidade do que você anda comendo podem amenizar esses sintomas e trazer alívio – afinal, o que você quer mesmo é poder desfrutar deste momento único que é a gravidez.

Os enjôos são ainda mais freqüentes pela manhã, quando o estômago ainda está vazio e podem surgir vômitos e salivação excessiva. Durante a gestação, o corpo lúteo – resto das células do folículo dentro do qual estava o óvulo – produz uma maior quantidade do hormônio progesterona, que combinado com o hormônio HCG (gonadotrofina coriônica humana, eliminado pelo embrião ao se aderir ao útero), faz com que o cérebro fique mais sensível aos estímulos para o enjôo.

Possíveis causas

Além das alterações hormonais, a redução dos níveis de glicose (açúcar) no sangue, a digestão mais lenta e o aumento na sensibilidade do olfato também deixam a gestante mais predisposta a enjôos. Mas a boa notícia é que, eles desaparecem a partir do quarto mês de gestação.

Alguns pesquisadores relacionam os enjôos, ainda, a causas emocionais. Brigas de casal e de família, por exemplo, sobrecarregam a mente e aumentam as sensações negativas, deixando a grávida mais sujeita ao mal-estar. Isso porque a tensão e a ansiedade do dia-a-dia podem ser refletidas no aparelho digestivo. Uma pesquisa recente realizada na Universidade de Liverpool, na Inglaterra, no entanto, afirmou que os enjôos sentidos durante a gravidez são, na verdade, um mecanismo da natureza para impedir que a gestante coma alimentos pouco saudáveis que possam prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Os cientistas chegaram à conclusão de que as náuseas e os vômitos das grávidas estão associados ao alto consumo de açúcar, álcool, óleos e carne. Em alguns casos, os enjôos tomam tamanha proporção que a gestante acaba tendo seu sono comprometido, perda de apetite, e a vida do neném pode ser colocado em risco. É a chamada hiperemese gravídica: Nesses casos, o vômito se torna uma constante e nada pára no estômago da mulher. Ela pode acabar tendo alterações de eletrólitos (sódios, potássio e cálcio) sendo, necessária sua internação.

Por conta da situação, muitas grávidas param de comer, o que é yotalmente errado. O ideal é que sejam feitas de seis a sete pequenas refeições, sendo uma delas durante a noite, quando a gestante acordar para ir ao banheiro, por exemplo.
Frutas indicadas: abacaxi, kiwi, laranja, limão e água-de-coco

Frutas contra-indicadas: banana, manga, abacate, fruta-do-conde, graviola e pêssego

Dicas para evitar os enjôos

Anote as medidas simples que podem minimizar os enjôos e trazer o bem-estar de volta neste período. Fique atenta:

Evite o estômago vazio ou cheio demais. Faça de seis a sete pequenas refeições por dia, uma a cada duas ou três horas. E reserve uma delas para a noite

Os enjôos são mais freqüentes pela manhã, portanto, ainda na cama, coma alguns biscoitos de água e sal, espere alguns minutinhos e então levante

No café da manhã prefira biscoitos de água e sal, torradas, sucos, frutas e cereais. Eles são de fácil digestão e não sobrecarregam seu estômago. Nos lanches, boas opções são: sorvetes, frutas e barrinhas de cereais

Não escove os dentes logo após o café da manhã. Algumas gestantes afirmam que a prática favorece os enjôos. Tome um banho e só então faça a higiene bucal

Evite comidas quentes, processadas, gordurosas, com muito açúcar e com aroma forte. Elas demandam mais tempo para serem digeridas. Coma alimentos ricos em carboidratos, como arroz, macarrão e batata. Grãos, cereais e alimentos com proteínas também são uma boa alternativa, já que são menos propensos a causar náuseas Não deite após as refeições. O hábito dificulta a digestão e ainda favorece a queda de glicose no sangue

Fique longe de álcool, cigarro e café. Além de fazerem mal ao bebê, essas substâncias atrapalham o trabalho do estômago

O emocional abalado favorece o mal-estar. Evite os exercícios intensos, mas ocupe a mente com alguma atividade que traga prazer

Os líquidos durante as refeições dificultam a digestão. Procure evitá-los nesse momento

Os alimentos cítricos favorecem a digestão. Experimente colocar algumas gotas de limão na água para diminuir os enjôos

Consulte seu médico sobre a necessidade de suplementos de vitamina B6. A deficiência dessa vitamina causa distúrbio gastrointestinais

Fonte: Revista Materlife


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *