Entenda a diferença entre infertilidade e esterilidade

infertilidade-1.jpg

Problemas afetam muitos casais que querem ter filho

Muitos casais desejam ter filho mas acabam esbarrando em dois problemas comuns: esterilidade e infertilidade. Segundo o urologista Silvio Pires, da Criogênesis, é preciso entender os fatores que diferenciam esses dois conceitos. “Tecnicamente, a infertilidade é resultado de uma disfunção dos órgãos reprodutores ou dos gametas. Já a esterilidade é a impossibilidade que tem o homem ou a mulher de produzir gametas [óvulos e espermatozóide] ou zigotos [fusão dos gametas] viáveis. Desta forma, podemos dizer que um casal é infértil quando há diminuição das chances da gravidez, que podem ser contornadas por medidas médicas, e que é estéril quando há incapacidade de gerar filhos”, explica o especialista.

O médico ressalta ainda que, estatisticamente, a infertilidade representa 30% dos casos de casais que têm problemas para gerar filho. “A principal causa de infertilidade masculina é desconhecida [idiopática]. No entanto, infecções que levam à inflamação dos testículos, o uso de drogas, álcool e a exposição a substâncias tóxicas, como medicamentos usados em quimioterapia e a radiação ionizante, são fatores indutores da infertilidade. Dentre as causas de infertilidade nas mulheres, podemos destacar a endometriose e a tentativa de gravidez tardia, uma vez que após os 35 anos a fertilidade feminina tende a diminuir naturalmente”, comenta o urologista.

Atualmente as técnicas de reprodução assistida têm permitido, a um grande número de casais, a realização do sonho de ter filho. Entretanto, para que essas técnicas dêem resultados, é fundamental que o diagnóstico adequado, seja de infertilidade, seja de esterilidade, já que determinará o tratamento que deverá ser realizado. “Alguns exames ajudam a diagnosticar as causas da infertilidade, como a ultrassonografia transvaginal e o espermograma, que visa conhecer um dos fatores masculinos, avaliando os graus de concentração, vitalidade e morfologia dos espermatozóides”, diz Silvio Pires.

Fonte: Revista O Encontro


Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios *