Por que é tão difícil identificar um relacionamento abusivo (e sair dele)

relacionamento-abusivo-1200x801.jpg

Comportamentos danosos são disfarçados de cuidado e afeto. Veja sete sinais de que uma relação já excedeu os limites

Com a ajuda das psicólogas Pamella Rossy e Aline Martins, enumeramos alguns comportamentos que podem sinalizar que a relação é abusiva, para além da violência física.

1 – Ciúme excessivo – Ter inseguranças é normal, mas quando o “amor” vira justificativa para invasão de privacidade, agressão verbal, ameaças e chantagens emocionais, um limite foi ultrapassado e isso gera uma relação de controle.

2 – Falta de sociabilidade – Quando o casal deixa de interagir com outras pessoas, há um sinal de alerta. O abusador faz com que a vítima corte vínculos com parentes e amigos para que possa controlá-la, sempre sob a justificativa de que “fulano não é bom para você” ou “sicrano está dando em cima de você”.

3- Controle da vida do outro – O controle se dá quando o parceiro começa a decidir o que o outro pode ou não fazer. Estão incluídos aí aspectos como roupa, alimentação, amigos, atividades e, em casos mais graves, até o trabalho que o parceiro pode ter ou não. “Você vai sair assim?”, “é para o seu bem” ou “você fica mais bonita sem esse batom” são frases comuns.

4- Invasão de privacidade – O relacionamento é a dois, mas cada um deve manter seu espaço. Se ele lê suas mensagens, e-mails, controla quem são seus amigos nas redes sociais ou as suas senhas sem o seu consentimento, está invadindo sua privacidade. Se você foi pressionada ou chantageada para ceder as suas senhas e o acesso às suas redes, também.

5 – Chantagem emocional – “Se você não fizer isso, eu vou me matar”, “se você fizer aquilo, eu vou terminar tudo”. A chantagem geralmente toma essas formas. Se o abusador percebe que isso funciona — que afeta a parceira e a deixa instável emocionalmente —, ele adota essa prática para manipular.

6 – Manipulação da autoestima – “Você não é tão linda ou interessante quanto acha que é”, “você nunca vai achar alguém que te ame como eu”. O abusador menospreza e, aos poucos, destrói a autoestima da parceira, fazendo com que ela passe a acreditar que ele é o único homem que vai amá-la e que, sem ele, ela vai ficar sozinha.

7 – Controle financeiro – Sob a justificativa do cuidado, o abusador passa a controlar as finanças da parceira — tendo ela renda própria ou não. Aos poucos, vai tirando sua autonomia e a prende na relação.

Por que é difícil romper esse ciclo?

Fatores variados podem fazer com que uma mulher não consiga romper um relacionamento, mesmo tendo consciência dos abusos cometidos pelo parceiro, explica Pamella Rossy. Dependência financeira, falta de apoio da família e dos amigos e a própria dependência afetiva podem levar a pessoa a permanecer em uma relação não saudável. Também pesa o medo de tentar romper a relação e ser agredida fisicamente por isso, mesmo que a violência praticada até então seja mais sutil.

“Em geral, a vítima acredita que o companheiro vai mudar, porque ele não é violento o tempo todo. Eles oscilam entre momentos de violência e cuidado. Isso pode fazer com que o relacionamento perdure por anos”, explica a psicóloga. “A vergonha de expor que viveu aquela situação e a descrença pública que ela vai sofrer, quando decidir falar, também fazem com que ela permaneça no relacionamento por mais tempo”.

Fonte: jornal O Globo