Cientistas triplicam o tempo de armazenamento de fígados de doadores humanos

Fígado.jpg

Projeto de pesquisa desenvolve novo método para preservar o fígado humano para transplante

Os cientistas estenderam bastante a quantidade de tempo que os fígados humanos podem ser armazenados para transplante, modificando um protocolo anterior para aumentar a viabilidade dos fígados de ratos. Anteriormente, os fígados humanos eram viáveis apenas por uma média de nove horas, mas o novo método de preservação mantém o tecido hepático por até 27 horas, dando aos médicos e pacientes de transplante um prazo muito mais longo para trabalhar.

A pesquisa é apoiada pelo Instituto Nacional de Imagem Biomédica e Bioengenharia (NIBIB) e pelo Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK), ambos parte dos Institutos Nacionais de Saúde.

Como um recipiente de vidro quebrado pela água congelada, quando as células congelam, elas geralmente sofrem danos irreparáveis. Como as células humanas são especialmente sensíveis, os fígados dos doadores são armazenados acima de zero a 4 graus Celsius. Como resultado, os médicos normalmente podem preservar apenas o fígado humano por nove horas antes que as chances de um transplante bem-sucedido diminuam drasticamente. Esse curto período de tempo torna mais difícil, e às vezes impossível, levar os órgãos a pacientes compatíveis localizados mais distantes.

“A entrega de órgãos viáveis aos receptores correspondentes dentro da janela de viabilidade pode ser o aspecto mais desafiador do transplante de órgãos”, disse Seila Selimovic, diretora do programa Engineered Tissues do NIBIB. “Ao dar mais tempo a médicos e pacientes, essa pesquisa poderá afetar um dia milhares de pacientes que estão esperando por transplantes de fígado”.

O primeiro passo foi limitar o contato do líquido de armazenamento ao ar. Quando super-resfriados, os fígados são submersos na solução protetora de super-resfriamento. Os pesquisadores descobriram que o risco de formação de cristais de gelo aumentou muito em áreas onde a solução estava em contato com o ar. Para eliminar esse risco, os cientistas removeram o ar da bolsa de solução de armazenamento antes do super-resfriamento, eliminando efetivamente a chance de nucleação espontânea de gelo na superfície do órgão.

Em seguida, os pesquisadores incluíram dois ingredientes adicionais na solução protetora para ajudar a proteger os hepatócitos. O primeiro aditivo, a trealose, ajuda a proteger a célula e a estabilizar as membranas celulares. O segundo, glicerol, suporta as propriedades protetoras do composto de glicose 3-OMG adicionado nas experiências anteriores. Ambos os aditivos têm sido utilizados na preservação criogênica de células em laboratório, mas não na preservação de órgãos para transplante.

Enquanto os pesquisadores ainda não implantaram um fígado preservado usando esse novo método em seres humanos, os padrões tradicionais de avaliação da viabilidade hepática indicam que esse processo não afetará negativamente o órgão.

Fonte: Journal Science Daily