Massagem relaxante: grávidas precisam de cuidados especiais

Massagem-em-gravida-1200x800.jpg

Tudo porque a gestação é um estado no qual muitas alterações ocorrem no organismo da gestante, o que a diferencia do ponto de vista das técnicas de massagem das demais pessoas

A fisioterapeuta Mariana Moraes, garante que, se feita corretamente, a massagem relaxante alivia as dores lombares, diminui o inchaço nas pernas e auxilia o retorno venoso estimulando a circulação sanguínea e linfática. “São realizadas manobras terapêuticas específicas como amassamento, deslizamentos e percussões. Essa terapia tem o intuito de melhorar a circulação sanguínea, aumentar o fluxo de nutrientes, além de aliviar a dor e facilitar a atividade muscular”, explica.

A massagem relaxante é uma técnica de manipulação suave diretamente sobre os músculos, que alivia a tensão sobre eles. A tensão muscular é provocada, no caso das gestantes, pelo desconforto postural, aumento de peso, alteração de humor, que é comum na gestação, aumento do stress e cansaço. Portanto, são recomendadas sessões de massagem relaxante durante os nove meses para que a futura mamãe possa ter uma gestação tranquila e suave, associada a drenagem linfática manual.

“Recomendamos a técnica a partir do terceiro mês de gestação por conta do risco de aborto espontâneo que é maior no primeiro trimestre. Uma sessão de massagem por semana é o suficiente para aumentar o bem-estar. Essa periodicidade já ajuda a diminuir a dor nas costas e a ansiedade. É também uma massagem no ego: você está se cuidando e cuidando do bebê”, diz a fisioterapeuta.

Benefícios da massagem relaxante na gravidez

  • Facilita o processo psicológico da gestação, por fortalecer o trabalho do coração, aumentar a respiração celular, reduzir o edema, e contribuir para a sedação do sistema nervoso simpático.
  • Alivia a sobrecarga nas articulações de suporte de peso e estruturas músculo-fasciais (articulação sacro-íliaca, coluna toraco-lombar, quadris, músculos eretores da espinha).
  • Alivia e reduz dores no pescoço e nas costas causadas por postura inapropriada, fraqueza muscular e desequilíbrio.
  • Provê suporte emocional e físico (particularmente para as mulheres que estão sozinhas nesta etapa).
  • Desenvolve a consciência sensorial necessária para o processo do parto cinestesicamente (após o parto, a musculatura das costas, o abdômen e o assoalho pélvico devem relaxar para permitir que o útero trabalhe sem resistência).
  • Facilita o realinhamento estrutural da coluna e pelve no pós-parto e a reabilitação dos músculos abdominais.

Fonte – Mariana Moraes, fisioterapeuta